terça-feira, 27 de março de 2007

América de bolso, por US$ 2,4 bilhões

Reader’s Digest, a minúscula revista norte-americana que em seu 84º aniversário detém a maior circulação em todo o mundo, com mais de 100 milhões de leitores em 70 países (50 edições em 20 línguas) acaba de ser vendida por US$ 2,4 bilhões, incluindo US$ 800 milhões em dívidas. O comprador, Ripplewood Holdings, um grupo que inclui o Merrill Lynch Capital e o J. Rothschild Group, é o mais novo ator na febre da compra e venda de jornais, revistas e tvs que assola os Estados Unidos desde o final do verão.
Desde 1948, quando começou a ser feita em português, gerações de brasileiros aprenderam a ler – e a se encantar com o estilo de vida norte-americano – através da “Seleções”. Para os admiradores, especialmente gente que já passou dos 40 ou é hipocondríaca (a revista é bancada principalmente por anúncios do ramo farmacêutico), Reader’s Digest é o fio que tece os valores familiares, o otimismo e a realização pessoal. Para os detratores, Seleções é mais uma agente ianque que tenta impor o domínio americano em todo o mundo.
Com mais leitores de que a Fortune, o Wall Street Journal e a Business Week combinados, Seleções é a cria de Dewitt Wallace, também conhecido como William Roy (tem gente que muda de nome com a maior facilidade...), ex-soldado que quando se recuperava de ferimentos da Segunda Grande Guerra num hospital da França teve a idéia de uma revista de bolso que contivesse artigos resumidos de outras revistas, jornais e principalmente bestsellers. No meio, enfiou pílulas como “Notícias do Mundo da Medicina”, “Piadas de Caserna”, ou “Enriqueça seu Vocabulário”.
Bonitinha, colorida e sorridente, a revista é uma delícia de se ler. Pode ser lida de trás para diante, do fim para o começo, nos toiletes ou nas salas de espera dos dentistas. Tanto faz ler um exemplar de 1922 ou 2006. Em ambos o leitor achará um artigo sobre a cura do câncer, o perfil de um sobrevivente de um terremoto, a ameaça vermelha (e agora dos terroristas) ou, como na última edição norte-americana, cinco milagres que provam a existência do Papai Noel. A revista não nasceu para mudar nada – apenas preecher os insistentes e repetidos vazios da existência humana.
A “América de Bolso”, como já foi apelidada, sempre encheu os bolsos de seus donos. Hoje em dia, vende 18 milhões de cópias, com um faturamento anual de US$ 2,38 bilhões (lucro em torno de US$ 150 milhões). “As pessoas pensam que a Reader’s é coisa dos nossos avós, mas a empresa tem uma base dinâmica”, disse o CEO da Ripplewoods, Timothy C. Collins. A “Seleções” é dona também de títulos como Taste of Home, e Everyday With Rachael Ray, que fazem bastante sucesso entre as donas-de-casa aqui.
Com a aquisição, que faz com que a Reader’s Digest feche o seu capital, Collins pretende cortar custos e aumentar as vendas (quem não quer?) vendendo a Reader’s para os leitores do seu grupo, que detém títulos como Time Life Series, the Weekly Reader an The World Almanac.
No mercado, calcula-se que o valor da mídia tradicional – jornais e revistas – seja hoje o mais baixo dos últimos quinze anos. Daí a atração dos fundos de private equity, que estão comprando tudo que podem.
“Estas empresas não requerem muito capital, diz Collins. “Elas vendem assinaturas, assim você pega o dinheiro na frente e entrega o produto adiante”, acrescenta. ‘Elas geram muito caixa, assim fazem muitos candidatos a adquirí-las e, melhor ainda, você as compra por preços bastante razoáveis, já que todo mundo está comprando ações do Google”.
O financista Colins fundou o Ripplewood em 1995, gerindo cerca de US$ 4 bilhões de quadro fundos de investimento. A empresa investe em publicações educacionais, telecomunicações, automóveis e outros produtos de consumo. Ao todo são quase doze empresas com mais de US$ 20 bilhões de faturamento. Sua maior transação até hoje foi a compra do Shinsei Bank, fato que ajudou a reestruturar a combalida economia japonesa. A partir de agora, Collins tem a América, literalmente, no bolso.
Postar um comentário