sexta-feira, 11 de janeiro de 2008

Greenspan, biografia é o livro do ano

A correspondente da rede NBC em Washington, Andrea Mitchell, só percebeu que o sisudo Alan Greenspan estava lhe pedindo em casamento na terceira tentativa. O então presidente do Federal Reserve, o Banco Central norte-americano, o homem que com apenas uma ferramenta – a taxa de juros – governou os Estados Unidos (e por tabela o mundo) durante duas décadas, falava por hipérboles, metáforas e analogias difíceis de decifrar, um hábito dos tempos em que dava recados aos mercados sem deixá-los em pânico ou, como gostava de comparar, mandava cortar a bebida alcoólica quando a festa começava a esquentar.
Andrea se casou com Alan e foram felizes para sempre. A esposa está sempre presente em sua autobiografia, um catatau de 520 páginas chamado “A Era da Turbulência – Aventuras Em Um Novo Mundo –, que pode ser considerado o livro do ano de 2007 por uma razão: é um dos melhores livros de história escritos até hoje. Sob a batuta deste maestro, que com uma incrível capacidade de sobrevivência atravessou os governos Ford, Carter, Reagan, Bush, Clinton e Bush filho, o mundo assistiu a choques de petróleo, à queda do Muro de Berlim, ao fenômeno da Internet, a sucessivas falências de países (inclusive o Brasil) e, finalmente, ao ataque terrorista aos Estados Unidos em Setembro de 2001.
O judeu nova-iorquino nascido em 1926 em Manhattan, cuja vocação inicial era ser saxofonista na banda de Glenn Miller, é nada mais que um amante de dados, planilhas, tabelas, relatórios ou tudo que contenha números. Tira as conclusões, de preferência, dentro da banheira, todos os dias de madrugada, o que provoca a ira dos assessores que lêem seus manuscritos borrados. Sua conclusão mais famosa é o da “exuberância irracional”, uma advertência sobre a bolha de ações da Internet que começou no dia 9 de agosto de 1995, quando foram lançadas as ações da Netscape, deixando seus donos milionários, e explodiu na virada do século. Greenspan tem uma posição dúbia a respeito do fenômeno pontocom: ao mesmo tempo em que criticava a irracionalidade do mercado, creditava a resiliência da economia norte-americana aos ganhos de produtividade promovidos pela tecnologia – comunicações e computadores invadindo as empresas.
Este é aspecto mais interessante da biografia de Greenspan. Como pode a maior potência industrial e econômica do mundo, os Estados Unidos, exportar praticamente todos os empregos para a China e outros países de mão de obra barata e, assim mesmo, manter uma economia de pleno emprego? “Hoje”, escreve o economista que se tornou milionário fazendo previsões econômicas para a indústria siderúrgica na década de 50, “os americanos mudam de emprego em escala verdadeiramente estupenda”. E é mesmo. Numa força de trabalho de quase 150 milhões de pessoas, um milhão muda de emprego a cada semana – cerca de 600 mil por vontade própria, enquanto cerca de 400 mil são demitidos, quase sempre quando suas empresas são adquiridas ou reduzem o efetivo de pessoal. Ao mesmo tempo, um milhão de trabalhadores são contratados por outras empresas também a cada semana, à medida que se expandem os novos setores e se criam novos negócios.
Postar um comentário