segunda-feira, 19 de maio de 2008

CÉREBRO

Segundos depois de despertar numa fria manhã em 10 de dezembro de 1996, a neuroanotomista norte-americana Jill Bolte Taylor sentiu uma fisgada na cabeça, semelhante àquela sensação de quando tomamos sorvete rapidamente. Levantou-se e, já no banho, perplexa e intrigada, sentiu estar numa viagem alucinógena, onde os pingos do chuveiro pareciam brincar com as células do seu corpo. Aos 37 anos, uma das maiores especialistas do mundo em cérebro estava sofrendo um derrame cerebral provocado por uma hemorragia craniana do tamanho de uma bola de golfe. Nas quatro horas seguintes, foi médica e paciente, feitiço e feiticeira, atriz e espectadora: numa cronologia aterrorizante, assistiu de camarote à perda da fala, da capacidade de ler, de escrever e de reagir a estímulos externos, sentidos alojados na parte esquerda da sua cabeça. Virou uma criança num corpo de mulher. Depois de operada, extirpada a hemorragia, demorou nove anos para se recuperar.
Tanto no best seller “My Stroke of Insight” quanto no vídeo que faz sucesso na internet, Taylor mostra um cérebro (real) cortado ao meio, brinca com a massa marrom-clara e defende, como ninguém, a independência entre as partes esquerda e direita. A direita, diz ela, é a parte do nós, das intuições, das trocas de energias, da felicidade, da expansão da nossa consciência. A esquerda é a parte intelectual, do eu, introvertida, calculista, metódica, linear, é aquele diabinho que nos lembra as contas a pagar, nos põe medo na hora de enfrentar o mundo e que, por isto mesmo, nos faz sofrer. Quando acordou do pesadelo de quatro horas, Taylor, uma loira energética com voz de quem fala e é ouvida, sentiu uma extrema sensação de paz, euforia, como se não houvesse mais problemas no mundo. Humildemente, despediu-se da vida e preparou-se para o que ela chama de “transição”.
Esta transição realmente chegou para a cientista formada e treinada por Harvard, uma das melhores universidades do mundo, mas não através da morte. Como teve de aprender a conviver com apenas metade das 50 milhões de células que harmoniosamente viviam no nosso cérebro – precisamente as da parte direita-, a experiência a levou a mundos que pouca gente conhece. “Vivemos e lutamos entre nós nos ego-caixotes da parte esquerda do cérebro, nos recusando a pensar que um mundo diferente é possível”, diz ela. “A benção que recebi desta experiência é que a paz interior é acessível a qualquer pessoa, em qualquer momento: tudo que temos de fazer é silenciar a voz que domina a parte esquerda”.
Hoje Jill dá a volta ao mundo contanto sua experiência. Mesmo com o sucesso repentino – já chegou a dar entrevista para a apresentadora Oprah Winfrey na TV norte-americana - continua dando aulas na Escola de Medicina da Universidade de Indiana, seu estado natal, e especializou-se na investigação pós morte do cérebro humano. Ela ainda é porta voz da Harvard Brain Tissue Resource Center, e consultora da Midwest Proton Radiotherapy Institute. Agora em maio foi escolhida pela revista Time uma das 100 pessoas mais influentes do mundo.
Uma das partes mais fantásticas do vídeo é quando ela conta, em lágrimas, a briga entre partes direita e esquerda do seu cérebro durante as quatro horas de derrame. “Meu lado direito me dava fantásticas sensações de alegria e paz, enquanto que o esquerdo me chamava para a responsabilidade, me dizia: você está sofrendo um derrame, vá ao telefone e grite por socorro”. Após ter tido o seu cérebro danificado, e tendo de recorrer ao seu lado direito, ela pergunta à platéia se a deliberada escolha pelo lado direito pode ser feita por nós no dia-a-dia da vida.
Postar um comentário