sexta-feira, 3 de abril de 2015

UMA VIAGEM FANTASTICA

Solitário e excêntrico, o bilionário Paul Allen, co-fundador da Microsoft, está gastando meio bilhão de dólares para descobrir como a mente humana funciona.

Por Pedro Augusto Leite Costa, de Seattle



Semana que vem fará 15 anos que Paul Allen, o 51︒ homem mais rico do mundo, reuniu em seu mega-iate Octoplus, aqui na região de Seattle, a fina-flor dos cientistas especializados no cérebro humano, como James Watson, Steven Pinker e David Anderson.
Allen, que há 30 anos sofre do linfoma de não-Hodgkin's, viu sua mãe sucumbir durante décadas ao Alzheimer. Ávido leitor de ficção científica, e fã da utilização do computador na pesquisa científica, queria utilizar seu dinheiro para evitar que a humanidade, cada vez mais longeva, evitasse a decadência cada vez mais comum da degeneração mental.
Chegou-se a conclusão que, para dar uma acelerada às pesquisas que estão sendo feitas há mais de um século, seria necessário mapear tridimensionalmente os 86 bilhões de células que, através de trilhões de conexões, produzem risos, choros, amor, ódio, generosidade, egoísmo, fobias, traumas - e todas as outras reações que fazem de nós os animais mais complexos da Terra. Para apressar o trabalho, este mapa deveria estar disponível para a colaboração de todos os cientistas do mundo que trabalham no setor.
Hoje , Allen e os quase 500 físicos, matemáticos, neurobiologistas, engenheiros e cientistas da computação (pelo menos a metade com PHD) já apresentam vitórias para entendermos este microcomputador inserido em cada um de nós, uma máquina que trabalha 24 horas por dia, 7 dias por semana, e que geralmente depois dos 65 anos começa a degringolar.
Por exemplo, demanda mais tempo para acessar memórias, não controla eficientemente o balanceamento do corpo, demora a reagir quando solicitada, diminui a velocidade das ações, não se surpreende com as novidades e, principalmente,
tergiversa em torno de determinados assuntos - algo que, na linguagem dos computadores, é semelhante ao buffering.
Meio bilhão de dólares depois - Allen ainda tem mais 17 bilhões de dólares para gastar - o Allen Institute for Brain Science agora está nos estágios iniciais dos exames das conexões celebrais que ditam a vida e o nosso comportamento. "É um trabalho de extrema complexidade", diz Amy Bernard, diretora do Allen Institute, em entrevista ao Valor. "Se você está vendo uma pessoa limpar a janela externa do prédio", exemplifica, "é bem provável que você esteja prestando atenção na limpeza do vidro, enquanto a pessoa que limpa está prestando atenção em não cair do andaime - cada fato provoca diferente reações nos seres humanos".
Mas o mais interessante do Allen Institute é que trata-se de uma organização que, em caráter inédito, trabalha colaborativamente, e sem propósito financeiro (mais sem compromisso com o prejuízo, segundo seu presidente, David Poston) com 30 mil cientistas de todo o mundo para, quem sabe, tornar as doenças do cérebro - Parkinson, Alzheimer, autismo e, por conseguinte, a morte - reversível no futuro.
O esforço de Paul Allen e sua turma também gerou nos Estados Unidos - e em todo o mundo - uma corrida para desvendar os mistérios do cérebro. Logo depois de anunciar a meta de geral um catálogo completo de todos os tipos de células neurais nos ratos e no córtex cerebral humano, a União Europeia comprometeu-se com sua própria iniciativa no setor, enquanto o presidente Barack Obama anunciou o Brain Iniciative, um conjunto de investimentos entre os diversos institutos que estudam o cérebro, como o National Institute of Health, o Food and Drug Administration, o Howard Hughes Medical Institute e o próprio Allen Institute.
Colaboração universal aumenta velocidade da pesquisa.
Estudar e mapear o cérebro é uma paixão antiga dos cientistas. No início de década passada, por exemplo, o espanhol Santiago Ramón y Cajal, prêmio Nobel de Medicina de 1906, já desenhava células celebrais. Seu trabalho, reunido em mais de 100 artigos científicos, serve até hoje de base para pesquisas.
O que mudou no esforço para desvendar o cérebro foi a utilização desta máquina análoga, menos potente e burra, o computador, que com sua capacidade de
armazenamento de dados nas nuvens, o bigdata, foi capaz de reunir todo o gigantesco acervo de dados, distribuindo-o gratuitamente na rede.
Este avanço permitiu que o Allen Institute, por exemplo, reunisse até hoje cinco peta bytes de dados, ou o equivalente a 50 anos ininterruptas de vídeos de alta definição. Estes dados são baixados 20 mil a 180 mil vezes mensalmente por instituições que colaboram oficialmente com o Instituto (seis no Canadá, 24 nos Estados Unidos, cinco no Reino Unido e duas na Holanda), além de acessos remotos em países como o Brasil (que ocupa o 14 lugar no número de downloads) ou a Coréia do Sul.
Em menos de dois anos, já poderemos apresentar à comunidade científica resultados extraordinários, diz Bernard. Segundo ela, o mapeamento do cérebro aumentou exponencialmente a qualidade, a quantidade e a velocidade das pesquisas que tentam descobrir, atualmente, como se processam as conexões entre os quase 100 bilhões de células que compõem o cérebro humano. Veja aqui os resultados do Allen Institute:
Ratos: O Allen Mouse Brian Atlas, completado em 2006, é um mapa dos genomas do cérebro adulto do rato. O propósito é ajudar no desenvolvimento da pesquisa da neurociência, guiando os cientistas no entendimento doenças do cérebro e anomalias como autismo e depressão.
Seres Humanos: O Atlas Human Brain Atlas foi revelado em 2010. Foi o primeiro atlas a revelar anatômica e genômicamente, em três dimensões, o cérebro humano. O atlas foi criado para ajudar na pesquisa de várias áreas da neurociência, como as imagens do cérebro humano, genética, neuroanatomia e várias outras. O atlas gerou informações básicas para a cura do Alzheimer, autismo, esquizofrenia e vícios em geral, especialmente drogas.
Desenvolvimento do Cérebro do Rato: O Allen Developing Mouse Brain Atlas acompanha do desenvolvimento genético dos céRebros dos ratos, desde o nascimento até a vida adulta, através de imagens de ressonância magnética, medindo crescimento, espaços brancos e conectividade. O atlas auxilia os neurocientistas a estudar como os poluentes e mutações genéticas interferem no desenvolvimento do cérebro. Assim, os pesquisadores descobrem como as toxinas interferem na saúde das crianças e das mulheres grávidas.
Conectividade do Cérebro do Rato: Lançado em 2011, este atlas foca na identificação de circuitos neurais que governam o comportamento e as funções celebrais. Estes circuitos são responsáveis por funções como comportamento e percepção. Futuramente, ajudará no entendimento de como o cérebro trabalha e qual é a causa da doença de Parkinson e depressão.
Medula espinhal do Rato: Trata-se do primeiro mapa da espinha do rato jamais feita.
O objetivo deste atlas é curar danos na medula espinhal, doenças como Lou Gehring (autor e cientistas Stephen Hawking) e atrofias musculares. O projeto tem também doadores de associações de veteranos de guerra e fundações que ajudam na luta com a esclerose múltipla, uma das doenças mais comuns no Noroeste do Pacífico, onde está Seattle.
Compreender o cérebro é compreender a beleza da vida (Amy Bernard)
SOLITÁRIO, TRISTE, SOBREVIVENTE
Pessoas ricas, como dizia F. Scott Fitzgerald em o Grande Gatsby, são diferentes de você e de mim. Entre os bilionários mundiais, Paul Gardner Allen consegue ser mais diferente e enigmático. Colega de ginásio de Bill Gates, abandonou a Universidade de Washington e um emprego na Honeywell para fundar a Microsoft.
Sete anos depois, foi diagnosticado com linfoma. Saiu da empresa e, da noite para o dia, tornou-se um dos maiores bilionários do mundo - sétimo lugar na década passada, embora hoje esteja na 51 posição - não porque perdeu dinheiro, mas porque surgiram outros bilionários, especialmente na Ásia.
Embora tenha três mega iates, uma frota de Boeing 757, uma empresa de investimentos na construção civil - a Vulcan - que está praticamente reconstruindo Seattle, sua cidade natal, Allen vive sozinho enfurnado no computador, onde sofre como todos nós resolvendo problemas do Windows, que ele próprio criou.
Quando sai, é para torcer por um de seus três times que é proprietário, o Portland Trail Blazers (basquete), e o Seahawks (futebol americano), que comprou por US$ 288 milhões em 1997 e que hoje vale mais de US$ 1.33 bilhão, e ainda o Seattle Sounders (futebol). Quem assistiu ao Super Bowl em janeiro neste ano o viu sozinho, absorto e triste, na tribuna de honra do estádio.
Tamanho é ou não é documento?
Se tamanho do celebro fosse documento, uma vaca estaria hoje comendo a gente, e não o contrário, sugere a cientista Suzana Herculano-Houzel, do Instituto de Ciências Biomédicas do Rio de Janeiro. Nosso cérebro é três vezes menor do que os dos elefantes e nove vezes menor que os das baleias, mas, inexplicavelmente, três vezes maior do que os dos chipanzés (que chegam a ter um corpo três vezes maiores que o nosso),
O que nos diferencia efetivamente dos outros animais é que, dos quase 100 bilhões de neurônios que temos, pelo menos 16 bilhões estão localizados no córtex cerebral. Por isto, e ao contrário dos nossos vizinhos na Terra, temos a capacidade de planejar o futuro, aprender com os nossos erros e vasculhar o passado. Um elefante, por exemplo, só tem 4.6 bilhões de neurônios na mesma região. Um rato, 30 milhões.
Mas esta capacidade tem um preço. Embora o cérebro humano represente apenas dois por cento do corpo, consome 25% das 2 mil calorias que, em média, precisamos para sobreviver diariamente. Se não tivéssemos tal capacidade cognitiva, gastaríamos de oito a nove horas diárias caçando ou procurando alimentos cru para comermos.
Para Suzana, a utilização do fogo para pré-digerir os alimentos, em outras palavras cozinhar, nos liberou para termos mais tempo para pensar, agir e mudar o mundo. Mais ainda, pesquisar e descobrir como o nosso cérebro funciona.
Fotos/Ilustrações. Todas as imagens devem ser creditadas ao Allen Institute for Brain Science.
Here is a Dropbox link to 5 quality images.
1) Cerebelo humano - Fatia colorizada do cerebelo humano. O cerebelo, que em latim significa "pequeno cérebro", é uma região que desempenha um papel importante no controle motor.
2) Do cérebro do rato Conectividade - Visão em terceira dimensão das ligações originadas a partir de múltiplas áreas corticais distintas, visualizada com a utilização de software Allen Explorer.
3) Slides Cérebro Humano - Uma fatia do cérebro humano montada sobre uma lâmina de vidro para digitalização.
4) Conexões do cérebro do rato- Uma imagem fluorescente, mostrando conexões no cérebro do rato na área que registra o sentido do tato, antes da informação ser enviada para ser integrada e compreendida por outras regiões do cérebro.
5) Slides do cérebro do rato- A secção coronal de todo um cérebro do rato, que foi colorizado para delinear os limites anatômicos das diferentes regiões.
Robinson, também tiramos algums fotos da entrevista com a Amy.
Veja https://drive.google.com/folderview?id=0B9Xvw-pY_MRqfjZxSWp6V1ZJXzViVjZReGhIa3psUWlfRy1IUXRnajZCakJQN1N4OHFPNWM&usp=sharing_eid
Repare na foto do cerebelo......
VIAGEM FANTÁSTICA


Solitário e excêntrico, o bilionário Paul Allen, co-fundador da Microsoft,  está gastando meio bilhão de dólares para descobrir como a mente humana funciona.


Por Pedro Augusto Leite Costa, de Seattle


Semana que vem fará 15 anos que Paul Allen, o 51︒  homem mais rico do mundo, reuniu em seu mega-iate Octoplus, aqui na região de Seattle, a fina-flor dos cientistas especializados no cérebro humano, como James Watson, Steven Pinker e David Anderson.


Allen, que há 30 anos sofre do linfoma de não-Hodgkin's, viu sua mãe sucumbir durante décadas ao Alziemer. Ávido leitor de ficção científica, queria utilizar seu dinheiro para evitar que a humanidade, cada vez mais longeva, evitasse a decadência cada vez mais comum da degeneração mental.


Chegou-se a conclusão que, para dar uma acelerada às pesquisas que estão sendo feitas há mais de um século, seria necessário mapear tridimensionamente os 86 bilhões de células que, através de trilhões de conexões, produzem risos, choros, amor, ódio, generosidade, egoísmo, fobias, traumas - e todas as outras reações que fazem de nós os animais mais complexos da Terra. Mais ainda, este mapa deveria estar disponível para a colaboração de todos os cientistas do mundo que trabalham no setor.


Hoje , Allen e os quase 500 físicos, matemáticos, neubiologistas, engenheiros e cientistas da computação (pelo menos a metade com PHD) já apresentam vitórias para entendermos este micro-computador inserido em cada um de nós, uma máquina que trabalha 24 horas por dia, 7 dias por semana, e que geralmente depois dos 65 anos começa a desgringolar.


Por exemplo, demanda mais tempo para acessar memórias, não controla eficientemente o balanceamento do corpo, demora a reagir quando solicitada, diminui a velocidade das ações, não se surpreende com o novo e, principalmente, tigiversa em torno de determinados assuntos - algo que, na linguagem dos computadores, é semelhante ao buffering.


Meio bilhão de dólares depois  - Allen ainda tem mais 17 bilhões de dólares para gastar - o Allen Institute for Brain Science agora está nos estágios iniciais dos exames das conexões celebrais que ditam a vida. "É um trabalho de extrema complexidade", diz Amy Bernard, diretora do Allen Institute, em entrevista ao Valor. "Se você está vendo uma pessoa limpar a janela externa do prédio", exemplifica, "é bem provável que você esteja prestando atenção na limpeza, enquanto a pessoa que limpa está prestando atenção em não cair do andaime - cada fato provoca diferente reações nos seres humanos".


Mas o mais interessante do Allen Institute é que trata-se de uma organização que, em caráter inédito,  trabalha colaborativamente, e sem propósito financeiro (mais sem compromisso com o prejuízio, segundo seu presidente, David Poston)  com 30 mil cientistas de todo o mundo para, quem sabe, tornar as doenças do cérebro - parkinson, alzheimer, autismo e, por conseguinte, a morte - reversível no futuro.


O esforço de Paul Allen e sua turma também gerou nos Estados Unidos - e em todo o mundo - uma corrida para desvendar os mistérios do célebro. Logo depois de anunciar a meta de geral um catálogo completo de todos os tipos de células neurais nos ratos e no cortex cerebral humano, a União Européia comprometeu-se com sua própria iniciativa no setor, enquanto o presidente Barack Obama anunciou o Brain Iniciative, um conjunto de investimentos entre os diversos institutos que estudam o cérebro, como o National Institute of Health, o Food and Drug Administration, o Howard Hughes Medical Institute e o próprio Allen Institute.


Colaboração universal aumenta velocidade da pesquisa.


Estudar e mapear o célebro é uma paixão antiga dos cientistas. No início de década passada, por exemplo, o espanhol Santiago Ramón y Cajal, prêmio Nobel de Medicina de 1906, já desenhava células celebrais. Seu trabalho, reunido em mais de 100 artigos científicos, serve até hoje de base para pesquisas.
O que mudou no esforço para desvendar o célebro foi a utilização desta máquina análoga, menos potente e burra, o computador, que com sua capacidade de armazenamento de dados nas nuvens, o bigdata, foi capaz de reunir todo o gigantesco acervo de dados, distribuindo-o gratuitamente na rede.
Este avanço permitiu que o Allen Institute, por exemplo, reunisse até hoje cinco petabytes de dados, ou o equivalente a 50 anos initerruptas de vídeos de alta definição. Estes dados são baixados 20 mil a 180 mil vezes mensalmente por instituições que colaboram oficialmente com o Instituto (seis no Canadá, 24 nos Estados Unidos, cinco no Reino Unido e duas na Holanda), além de acessos remotos em países como o Brasil (que ocupa o 14 lugar no número de downloads) ou a Coréia do Sul.
Em menos de dois anos, já poderemos apresentar à comunidade científica resultados extraordinarios, diz Bernard. Segundo ela, o mapeamento do célebro aumentou exponencialmente a qualidade, a quantidade e a velocidade das pesquisas que tentem descobrir, atualmente, como se processam as conexões entre os quase 100 bilhões de células que compõem o célebro humano. Veja aqui os resultados do Allen Institute:


Ratos: O Allen Mouse Brian Atlas, completado em 2006, é um mapa dos genomas do célebro adulto do rato. O propósito é ajudar no desenvolvimento da pesquisa da neurociência, guiando os cientistas no entendimento doenças do célebro e anomalias como autismo e depressão.


Seres Humanos: O Atlas Human Brain Atlas foi revelado em 2010. Foi o primeiro atlas a revelar anatômica e genômicamente, em três dimensões, o célebro humano.  O atlas foi criado para ajudar na pesquisa de várias áreas da neurociência, como as imagens do célebro humano, genética, neuroanatomia e várias outras.  O atlas gerou informações básicas para a cura do Alzheimer, autismo, esquisofrenia e vícios em geral, especialmente drogas.


Desenvolvimento do Célebro do Rato: O Allen Developing Mouse Brain Atlas acompanha do desenvolvimento genético dos célebros dos ratos, desde o nascimento até a vida adulta, através de imagens de ressonância magnética, medindo crescimento, espaços brancos e conectividade. O atlas auxilia os neurocientistas a estudar como os poluentes e mutações genéticas interferem no desenvolvimento do célebro. Assim, os pesquisadores descobrem como as toxinas interferem na saúde das crianças e das mulheres grávidas.


Coneticvidade do Cérebro do Rato: Lançado em 2011, este atlas foca na identificação de circuitos neurais que governam o comportamento e as funções celebrais.  Estes circuitos são responsaveis por funções como comportamento e percepção. Futuramente, ajudará no entendimento de como o célebro trabalha e qual é a causa da doença de Parkinson e depressão.


Medula espinhal do Rato: Trata-se do primeiro mapa da espinha do rato jamais feita.
O objetivo deste atlas é curar danos na medula espinhal, doenças como Lou Gehring ( do autor e cientistas Stephen Hawking) e atrofias musculares. O projeto tem também doadores de associações de veteranos de guerra e fundações que ajudam na luta com a esclerose múltipla, uma das doenças mais comuns no Noroeste do Pacífico, onde está Seattle.


Compreender o cérebro é compreender a beleza da vida.


Solitário, triste, e sobrevivente.


Pessoas ricas, como dizia F. Scott Fitzgerald em o Grande Gatsby, são diferentes de você e de mim. Entre os bilionários mundiais, Paul Gardner Allen consegue ser mais diferente e enigmatico. Colega de ginásio de Bill Gates, abandonou a Universidade de Washington e um emprego na Honeywell para fundar a Microsoft.  


Sete anos depois, foi diagnosticado com linfoma. Saiu da empresa e, da noite para o dia,  tornou-se um dos maiores bilionários do mundo - sétimo lugar na década passada, embora hoje esteja na 51 posição - não porque perdeu dinheiro, mas porque surgiram outros bilionários, especialmente na Asia.


Embora tenha três mega iates, uma frota de Boeings 757, uma empresa de investimentos na construção civil - a Vulcan - que está praticamente reconstruindo Seattle, sua cidade natal, Allen vive sozinho enfurnado no computador, onde sofre como todos nós resolvendo problemas do Windows, que ele próprio criou.


Quando sai, é para torcer por um de seus três times que é proprietário, o Portland Trail Blazers (basquete), e o Seahawks (futebol americano), que comprou por US$ 288 milhões em 1997 e que hoje vale mais de US$ 1.33 bilhão, e ainda o Seattle Sounders (futebol).  Quem assistiu ao Super Bowl em janeiro neste ano o viu sozinho, absorto e triste, na tribuna de honra do estádio.


Tamanho é ou não é documento?


Se tamanho do celebro fosse documento, uma vaca estaria hoje comendo a gente, e não o contrário, sugere a cientista Suzana Herculano-Houzel, do Instituto de Ciências Biomédicas do Rio de Janeiro. Nosso célebro é três vezes menor do que os dos elefantes e nove vezes menor que os das baleias, mas, inexplicavelmente,  três vezes maior do que os dos chipanzés (que chegam a ter um corpo três vezes maiores que o nosso),

O que nos diferencia efetivamente dos outros animais é que, dos quase 100 bilhões de neurônios que temos, pelo menos 16 bilhões estão localizados no cortex cerebral. Por isto, e ao contrário dos nossos vizinhos na Terra, temos a capacidade de planejar o futuro, aprender com os nossos erros e vasculhar o passado.  Um elefante, por exemplo, só tem 4.6 bilhões de neurônios na mesma região. Um rato, 30 milhões.


Mas esta capacidade tem um preço. Embora o célebro humano represente apenas dois por cento do corpo, consome 25% das 2 mil calorias que, em média, precisamos para sobreviver diariamente. Se não tivéssemos tal capacidade cognitiva, gastaríamos de oito a nove horas diárias caçando ou procurando alimentos cru para comermos.


Para Suzana, a utilização do fogo para pre-digerir os alimentos, em outras palavras cozinhar, nos liberou para termos mais tempo para pensar, agir e mudar o mundo. Mais ainda, pesquisar e descobrir como o nosso célebro funciona.

Publicado Originalmente no jornal Valor Econômico.



Postar um comentário